Nossa Missão

A Educação Personalizada é a maneira “Lourdina” de educar, a exemplo da comunicação entre Nossa Senhora e Bernadette, em Lourdes:

  • ➔ Ela brota da intuição da Madre Maria de Jesus Crucificado, fundadora do Instituto;
  • ➔ Apoia-se nas Ciências da Educação;
  • ➔ Faz-se vida através da Ação Educativa das Irmãs, Educadores e Funcionários;
  • ➔ Desenvolve-se hoje por educadores que vivem a educação como vocação e encarnam o perfil do educador “Lourdino”.

Para que possamos manter uma sintonia escola-família, alguns pontos abaixo enumerados merecem atenção especial. Estes pontos serão instrumentos indispensáveis para que, de fato, a educação aconteça nos dois âmbitos, com base na busca do aprimoramento, confiança e respeito mútuo.

SPE (Serviço De Psicologia Educacional)

O Serviço de Psicologia Educacional tem como objetivo otimizar o processo de aprendizagem e formação dos alunos, como também a relação harmoniosa com a família, professores e funcionários.

O Psicólogo Escolar do Colégio Nossa Senhora de Lourdes efetua um trabalho dinâmico com alunos de todas as idades, professores, pais e demais colaboradores integrantes do Colégio.

O psicólogo poderá intervir em situações diversas:

  • a) Avaliar o comportamento de um aluno com dificuldades de aprendizagem ou de relacionamento;
  • b) Orientar a família e professores de alunos com alguma dificuldade pedagógica ou não;
  • c) Dar assessoria aos Orientadores Educacionais em assuntos ligados à Psicologia;
  • d) Participar na qualificação do professor através de cursos e encontros que possibilitem o surgimento nesses profissionais de uma maior compreensão da importância de sua atuação junto aos seus alunos, melhorando o relacionamento humano entre os professores e seus alunos;
  • e) Participar de reuniões da escola com as famílias dos alunos colaborando na discussão de temas importantes para a melhoria do crescimento de todos que estão ligados àquela instituição;
  • f) Redigir e fazer circular temas sobre psicologia que possam contribuir para maior reflexão e compreensão do processo educativo;
  • g) Atender alunos que, por algum motivo, necessitem de uma acolhida, de alguém que possa ouvi-los no momento de sua “crise” dentro do ambiente escolar;
  • h) Participar dos trabalhos de definição profissional dos alunos e muitas outras que surgem no dia-a-dia da vida escolar;
  • i) Promover encontros para fazer discernimento vocacional.

SOP – Serviço De Orientação Pedagógica

À Orientação Pedagógica compete dinamizar e assistir a operacionalização do processo educativo no colégio.

O Supervisor é o facilitador do desenvolvimento de projetos e o agente responsável por uma prática democrática, envolvendo professores e alunos. Além disso, articula a teoria e prática levando em conta as vertentes técnicas e humanas.

Orientação Educacional

O Serviço de Orientação Educacional do Colégio Nossa Senhora de Lourdes tem como foco de atenção e atuação o educando, procurando desenvolver neste a capacidade de acolhida e integração no ambiente escolar, sendo agente do seu próprio conhecimento e responsável por sua relação com toda a comunidade educativa.

Atuando como elo entre a escola e a família, o SOE busca contribuir para o desenvolvimento dos educandos, tanto em relação aos aspectos cognitivos e psicomotores, como aos afetivos, fortalecendo a responsabilidade de todos na participação ativa das atividades escolares.

SAV – Serviço De Animação Vocacional

O Serviço de Animação Vocacional (SAV) é um processo comunitário que busca levar o jovem ao discernimento vocacional progressivo e contínuo, mediado por uma Irmã (Animadora Vocacional) que é auxiliada pelas demais da Comunidade.

Ele nasce do trabalho sério de cada Irmã, no qual o “viver o projeto vocacional” como obra e Iniciativa Divina, permite uma profunda abertura à Vontade de Deus, que inspirando, coloca cada uma, primeiramente, na radicalidade do Seguimento de Jesus Cristo a exemplo de nossos fundadores.

Fundamentos do SAV – Serviço de Animação Vocacional.

A atividade vocacional de Jesus é o centro e modelo do SAV. Como Animador Vocacional Ele soube:

  • a) Cultivar uma vida de profunda oração e intimidade com o Pai;
  • b) Ir ao encontro do vocacionado em seu ambiente;
  • c) Levar em conta a parte humana dos escolhidos;
  • d) Escolher sem distinção (pescadores, cobradores de impostos, pobres, adultos, etc.);
  • e) Valorizar a família do vocacionado;
  • f) Mostrar a grandiosidade da sua missão: preparar operários para a Messe;
  • g) Orientar seus escolhidos;
  • h) Ser exigente na seleção dos seus seguidores.

Na consciência de sermos chamadas e enviadas pelo Pai, buscamos ajudar a jovem no cultivo de um grande bem querer, que mergulha no mistério do “chamamento” de Deus que acolhe aqueles que, por Amor, Ele escolhe.

Ajudar as jovens no despertar e no discernimento do chamado.

Orientar para o amadurecimento pessoal e comunitário da jovem, a fim de que possa realizar sua integração adulta na Igreja, fazer com plena responsabilidade sua opção vocacional e testemunhar com a vida a autenticidade de sua vocação.

Favorecer momentos para que haja superação ou integração de inibição e medos, muitas vezes inconscientes, que dificultam ou até impedem:

  • A liberdade na opção;
  • A franqueza à abertura para o diálogo;
  • A vitalidade pessoal e apostólica;
  • A criatividade;
  • A capacidade de assumir, decidir e ser constante;
  • O amadurecimento da área afetivo-sexual da pessoa.

Toda vocação é uma resposta de amor pessoal ao Senhor que chama. Nenhuma técnica pode substituir a Ação do Espírito Santo; mas a Ação do Espírito não dispensa a nossa participação. Por isso, sentimos a importância de organizar, coordenar e dinamizar as forças existentes em nossa Província, de modo que somos instrumentos valiosos, através dos quais, Deus poderá fazer chegar o chamado até as jovens, “Nada mais motiva tanto o despertar vocacional como o testemunho de vida alegre, realizada, de fé e coragem daquelas que fizeram a opção radical pelo Reino.” (J. Paulo II)

Neste sentido, procuramos ser pessoas consagradas que cultivam a alegria de uma identidade própria que vem da mística e espiritualidade de seus fundadores, dos quais buscamos o entusiasmo necessário de sermos profetizas da bondade e da ternura de Deus Pai e Mãe.

Acompanhamento Vocacional:

Precisa estar alicerçado na capacidade para acolher e escutar as jovens. O acompanhamento deve ser o “lugar da graça”, pois acreditamos que somos simples instrumentos deste Deus que chama e convoca.

Para assegurar o processo de acompanhamento vocacional é necessário estabelecer algumas condições, como: Dar o tempo necessário para se trabalhar bem o humano e o cristão antes de partir para a vocação específica propriamente dita aqui. A animadora deve estar atenta ao comportamento “problemático” da família da jovem, caso observe algo, deve procurar orientar de forma caridosa e prudente e nunca excluir a jovem por causa de suas fragilidades, organizar encontros mensais locais (que sejam dinâmicos, bem preparados e sempre curtos), estimular a jovem a participar da vida da igreja e da comunidade local (Pastorais), fomentar o cultivo da vida de oração (celebrações eucarísticas, sacramentos e outras devoções), participação de retiros e de encontros de estudos e reflexões e visitar a família da jovem com certa periodicidade. Além disso, estar sempre em contato com a jovem (por meio de cartas, e-mail, telefones, etc).

  • A) Iniciar um processo de (in)formação através de subsídios e lições vocacionais e/ou indicações de leitura sobre biografias dos santos e fundadores, de filmes, dramatizações, etc.
  • B) Estimular a jovem a participar do encontro de convivência promovido pela Província;
  • C) Procurar obter um diagnóstico objetivo a respeito da saúde física e mental (não podemos esquecer de que não somos psicólogas e sim, animadoras vocacionais);
  • D) Orientar a vocacionada nos momentos de dúvidas e incertezas, procurando levá-la a certa estabilidade na vocação;
  • E) Criar um clima de sinceridade e de abertura com a jovem;
  • F) Colocar a jovem claramente diante das exigências de Cristo, de seu Evangelho e do ser religiosa Consagrada;
  • G) Levar a jovem a fazer uma opção sem coações. A resposta deve ser dada a Deus e por amor a Ele somente;
  • H) Utilizar dinâmicas que desenvolvam e trabalhem a partilha, o diálogo, a entre ajuda e outros aspectos do ser comunitário;
  • I) Utilizar os diversos materiais de propagandas Vocacionais que a Província distribui a cada Animadora. Na ausência destes, ser criativa.

Pastoral

Vocação é um termo derivado do verbo no latim “vocare” que significa “chamar”. A vocação é uma inclinação para exercer uma determinada profissão ou um talento (aptidão natural) para executar algo.

O sentido original expressa um chamado espiritual para que as pessoas sigam uma religião ou uma missão divina destinada a alguns cristãos para exercerem o sacerdócio. A vocação sacerdotal é vista como um chamado de Deus por aqueles que se sentem inclinados a exercerem o ministério paroquial.

A vocação profissional é formada por um conjunto de aptidões naturais e interesses específicos do indivíduo, que o direcionam na escolha de uma profissão. O teste vocacional é um instrumento que pode auxiliar aqueles que estão indecisos sobre qual carreira profissional seguir.